Clube de assinatura de livros pedagógicos

O papel dos brinquedos e das brincadeiras

avatar Marcelo Cunha Bueno - 07 de Maio de 2019

Marcelo cunha bueno

Brincadeira não tem preço

Quero compartilhar com vocês uma carta que eu e Julia, minha companheira de trabalho e coordenadora da Estilo, escrevemos para as famílias da escola. É sobre o brincar e os brinquedos.

"A Estilo de Aprender fomenta e valoriza a infância que brinca. Entendemos que a brincadeira é a principal linguagem de comunicação da criança com o mundo e do mundo com a criança. É por meio dessa linguagem que ela expressa plenitude, expansão, liberdade e múltiplas conexões com o meio e com si mesma. Por isso, consideramos que os brinquedos não estruturados -  nosso Quintal com árvores, os gravetos e folhas no chão, os caixotes de feira, os tecidos - são possibilidades imaginativas e brincantes infinitas para as crianças!

Todas as nossas atividades, dos Temas às propostas de Quintal, são conduzidas e permeadas pela brincadeira, pelo faz-de-conta e pela capacidade grandiosa e potente que a criança tem de imaginar. Além disso, valorizamos a interação dos estudantes com os brinquedos da Escola, com o brinquedo que “não é meu ou seu”, mas NOSSO. Brinquedos que não determinam uma condição a priori na dinâmica da brincadeira: pela posse ou pela proposta já imposta pelo brinquedo, o famoso objeto que brinca sozinho. Brinquedos que ganham sentido coletivo, democrático e de todos e todas que por esse espaço circula. 

Somos críticos também à relação de consumo e infância, bastante potencializada nos dias de hoje e com apelo para o consumo de brinquedos cada vez mais caros e cada vez mais compactados."

E foi assim que a Estilo repensou suas dinâmicas para mostrar, na prática, às famílias do que se trata uma brincadeira livre de consumo! Pelo menos na escola!

Marcelo Cunha Bueno

 

Saiba mais sobre infância, no encontro que acontecerá com Adriana Friedmann no dia 18/05

Inscreva-se

De professor para professor